domingo, 22 de novembro de 2009

finalmente, a entrevista a Peaking Lights

pá, demorou, mas aqui está. Os Peaking Lights demoraram um tempito a responder, por questões pessoais... e eu não quero esperar mais tempo ao fazer uma 2a volta de perguntas. por isso, aí está. E sim, virão à Europa tocar.

esperrem um bocadinho, e depois aparece um mp3 ou algo do género.

So, how come did peaking lights form and become a Band?
Aaron: We moved to Wisconsin right at the onslaught of winter. We got asked to play south by southwest by craig stewart from emperor jones in one of our other projects called RAHDUNES but needed something to tour with, because indra and I were in Wisconsin and Nate (our Rahdunes band mate) was in sf… We wrote Clearvoiant right before we left and it was a complete disaster trying to play it live on the way down, but really fun to essentially fail miserably every night!

Indra: Like Aaron said, we were in Rahdunes together in San Francisco, and when we moved to Wisconsin we left our other band mate, so we needed a new project! It was the middle of the winter of ’08, with a record amount of snow on the ground outside, and nothing to do but create music inside! I had been playing drums mostly in other bands, and was excited to try playing melodies on the keyboard… And with Aaron’s homemade synths and guitar things came together!
The NNF site says you live out there in the bush, completely apart from street buzz and city fevers. Was it related to your musical search? 
Aaron: I grew up in the cuts/woods/country and then moved to big cities and lived in them for a long time… and always wanted to get back, when we moved to Wisconsin it was our first thought to get isolated. For music for sure, but also I think just for personal sanity, wind down, smell the air, hear the birds in the morning, see the stars at night and look for ufo’s in the pitch black starry skies or just see the moon huge and silver…I guess just to get back to it all for whatever reason was a huge inspiration, we essentially removed ourselves from social activities and maybe in a selfish, or spiritual way just got in touch with some of those inner voices that you can’t hear with traffic rumbling by.

Indra: We move to the woods in the spring, and wrote “Imaginary Falcons” during a summer of lush green beauty and swimming in the rivers for our inspiration! We didn’t even have internet that whole summer! Nature is the best environment for tuning in, and clearing your mind to focus. It’s great to get away from the distractions of the modern world.

In an age when even science has become redemptive, do you see music ( and / or your music ) as an opener of spiritual pathways?
Aaron: I can’t really attach one exact way as how it is I see music. Music has been been the one thing that’s kept me from going overboard, I know I can kind of be an intense person, so it really is a force that keeps me grounded. I believe in telepathic power and every human has it. I believe that human kind has been on earth much longer than the western world wants us to believe, I believe in ufo’s and unexplained things, and I also believe that I don’t know what I will believe tomorrow. It’s like we’re at this time in the world when it seems that everything has been done before, but it’s not the case there’s always gonna be infinite possibilities it’s kinda like being spiritual instead of religious…

Indra: I really do see music as opening pathways - spiritual, or mental, or emotional. For myself, I feel I get the best ideas when I try to open that psychic door. Sometimes things flow from a collective higher consciousness and other times my own higher consciousness, I think. But music is very intuitive, and the less you think about what you’re doing, the easier it becomes to tap into ideas.

Some of your stuff is long, smooth, and almost gives the sense of its self-developing. Do you approach this jam-wise or is it thoughtful composition?
Aaron: Both-wise. A little jammy jam here and a little composition there. I’d go fucking nuts if there wasn’t some freedom in what we play.

Indra: We like to jam on certain ideas, so songs aren’t always played exactly the same. But we do write songs and parts, and some of our songs have a beginning middle and end, while others get lost in the moment.

Other stuff lives strongly by its haiku mood and mode. Could you pinpoint some impacts in your musical education?
Aaron: For the most part I’m completely self taught. From a young age at some point; In my early 20’s I got some recording stuff. Smoking weed and recording blew my little mind to shreds! I started experimenting, with all the aspects of recording, panning shit,’ the fuck out of things! Running different delays and then building contraptions for mic’s - then about a year later I started trippin’ on tape loops and started pre recording stuff and cutting loops out of them, doing these crazy tape music thingys, which eventually led to circuit bending stuff… I had no reference point to this though, it’s not like I was tapped into all this amazing stuff that was going on at that time, at least not until later sometime in my mid 20’s... It took a bit for me to find a supportive community. Not that it wasn’t out there, but I just had no grasp of it. No interweb, it was still the days of zines and mailorder… I also grew up on the west coast surfing everyday, cutting school and going surfing, and surfing in my dreams. I got really lucky to have a laidback life as a kid, living by the ocean and in the country. I have no doubt that this has had the most effect in making me feel free enough to start doing whatever it is that has become what is now…

Indra: I’ve been in bands for years, but I started out with some formal music education – I learned classical piano growing up. Then as a teen I got into punk and I took up drums – I think I had one lesson from a friend and then just taught myself. Once I got down the basic coordination I realized I could play however I wanted! It was a freeing experience after the rigid classical piano training…So I was in a couple punk bands and then played in Numbers and Dynasty – and that’s when I became I lot more focused on playing and singing. When I met Aaron I was just wrapping stuff up with Numbers and starting jamming with him and Nate Archer in Rahdunes. That was a huge step in my education because everything was improvised and that can be totally challenging but also totally rewarding when it all clicks and you get lost in the moment of sonic bliss! It really opened me up to the idea of what songs can be. I was so used to writing very structured songs in Numbers, and learning to improvise songs was a huge step for me. PL is a balance between the two – our love of pop songs with our love of tone jamming.

Books, film, painting, high and low brow art. Does it get to you and affect your views towards your music?
Aaron: I love to paint and draw and make films so this all plays deep into that spider web of my mind and heart… they definitely play into each other and inspire each other as well in infinite area. I guess it could be like: looking at such and such a painting makes my eyeballs sing…and so forth.
Indra: Sure! I think all art forms bounce off each other.

I was told that your live sound emulates precisely the textures of your recordings. why do you feel this is important?
Aaorn: Half the challenge is trying to pull this stuff live. If we do pre recorded tracks, just because certain issues with the tape machines, we have to play them live before hand, live for 15 minutes. It’s hard as balls to keep your focus for that long on playing one repetitive thing, but we’re not down with using loop pedals as a personal choice, and because if we play live we can make more structured rhythms and more harmonies and melodies.
Indra: We play all the song parts ourselves but because there’s just the two of us we have to pre-record the drums and other sounds.. Then we can focus on the live parts and sing live but still have it sound full.

Any plans on future releases?
Aaron: A split 7” with Wet Hair on Not Not Fun should be out soon, also working on a split with Social Junk on Ecstatic Peace and we’ve almost got enough new material for a new full length…and are hoping to have new stuff out by the time we head across the Atlantic in March!

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

sun araw na wire

eu e o francisco petrucci, depois de uma tour agreste, fizemos dois vídeos de sun araw em Hi8 para o site da The Wire. estamos orgulhosos, e queremos que o vejam. disfrutem.

domingo, 27 de setembro de 2009

Sunn-day Madness!

Vamos estrear as madnesses com foto de artista, para desenfadar os meus posts e compensar a ausência de fotografias de concerto da Sara. ( Ela vai a Geneva Jacuzzi, por isso deve estar para breve um post mais colorido. )

Desta vez apanham com música que se ouve para lavar roupa à mão. Não esperem cantadeiras nem american primitivices. Hoje há:

Buffalo Springfield - Expecting to Fly
Primeira colaboração entre Neil Young e o grande Jack Nitszche. O último escreveu o invulgar arranjo de cordas para esta malha do segundo álbum de Buffalo Springfield.
Não é uma raridade das que se tenta pôr aqui às segundas feiras, mas é uma pérola domingueira, cheia de pathos young-iano.

Human Bell - A Change in FortunesProjecto de David Heumann , dos Arbouretum, e Nathan Bell, ex-Lungfish. Como qualquer projecto que respingue dos Lungfish, é épico e extático. Tenho especial carinho por isto, dado que são duas guitarras a revelarem toda a estrutura das músicas ( coisa que ando a tentar fazer na minha banda, Häsqvarna ). A coisa é simples: harmonia, harmonia, cânones, e uma escolha de riffs de pendor pomposo mas imaginativos, para saciar os que se chatearam com a preguiça criativa dos Earth no último album. O disquinho já tem mais que um ano, mas é jóia eterna.
( agora a fotografia, pá... )

Zomes - Clear Shapes
Por associação temática, tem que ficar aqui uma faixa do projecto a solo de Asa osborne, também ex Lungfish ( e Pupils ). Loop-a-rama de guitarra, órgão, e um léxico melódico que é obviamente quasi-religioso. Acho muito bonita a instrumentalização do lo-fi para esta rarefacção texturada, que contribui à brava para todo o feeling haiku do álbum. É inevitável encontrar aqui referências aos imaginários da retrospecção ( hauntologia, hypnagogia, saudosismo da imagem granulosa e da fita magnética gordurosa ), mas felizmente, a melodia húmida ainda precede isso.

Eric Copeland - Corn on the Cob
O senhor Black Dice faz música muito bonita, mas aparentemente complicada. Junto com os Tropa Macaca e outros que tais, isto está cá para nos ensinar a dançar e para chegarmos à conclusão que não há complicação: há sempre surpresa no corte e costura, mas uma obrigatória sensação de óbvio ( o sample a isso obriga ), uma fisicalidade imediata e transcendente de tão intuitiva. Os seus nacos rítmicos e melódicos são menos soundbite que os de Black Dice - parece que há uma paródia à Composição, ao Verso. Mas a sério a sério, é que é novo e nuclear numa hipótese de história da música desta década.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

weednesday madnesses 10 / 11 / 12

como por aqui por casa se ouvem e tocam cordas, oferece-se hoje um post de três faixas de instrumentos de cordas.

wednesday madness #10
GATE - Wail

esta faixa é retirada do cd "the wisher table", gentilmente oferecido pelo michael morley - um terço dos dead c.
O concerto de lisboa em junho não foi metade do potencial que esta música tem.
E hoje, primeiro dia de céu cinza e trovoada lisboeta, aconchega-se bem no ouvido a agrura desta guitarrada.
O trabalho resulta de loops pré gravados via mac, loops ao vivo saídos de guitarra com fuzzzzzzzzz, uma voz arrastada e anódina, e, por vezes, a delicadeza extática de um e-bow.
Música tramada.

wednesday madness #11
Khamis El Fino
Oud, tocado por Khamis El Fino. O Oud é o precursor do alaúde - não investiguei, mas concebo que tenha sido trazido para o Ocidente durante a presença muçulmana desde o início da idade média. É um instrumento fulcral para a música árabe, e é tocado com uma pena de águia ( tomem lá o pai da palheta ), e o braço não tem trastes, dado que a escala árabe tem escalas de vinte e quatro quartos de tom. O que isto quer dizer é que esta música é muito, muito rica em termos melódicos. O público árabe aplaude o músico que consiga transitar de escala para escala com a maior subtileza.
Impressões técnicas à parte, resta dizer que a música é sem dúvida rica, e que ganha, para um ouvido nascido ocidental, a inevitável estranheza que a despoja de qualquer sensação de tradição ou enfado.

wednesday madness #12
Jean Paul Pickens - Shady Grows
Banjo sacado de um álbum de 60's reeditado pela locust. "Intensifications" tem um lado de guitarra ( Gene Estribou ) e outro de banjo ( JP Pickens ).
malhas destas em 1960 deviam ter o seu valor acrescido por destoarem de uma tradição de música folk bem avessa a estas investidas emocionais nas cordas de um banjo. E hoje também está tudo bem.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

me likes what i likes

um gajo gosta do que gosta, especialmente quando é tão bom.
uma boa maneira de começar a folga e desenhar um bocado.
me likes what i likes, especially when it's so stone-good.
a good way to start a day off the proper work and draw some.

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

monday madness!

depois de umas semanas de aperto, regressámos à compra de discos.
monday madness #7
em cd, mas vale a pena: ed askew. singer songwriter que toca um instrumento tradicional semelhante ao alaúde, chamado ... Tiple.
Não direi que é folk psicadélico - é apenas canção esquisita e bonita demais. Retirada do disco "Ask the Unicorn", o seu primeiro, na ESP Disk em 1968.
A ser verdade, parece que a voz dele é como é ( um grasnar bem projectado ) porque o tiple é um instrumento muito difícil de tocar e que exigia muito esforço.
o senhor ainda tem myspace, e empenha-se a fazê-lo.
( obrigado ao manuel e ao andré. esta é para o chico. )

monday madness #8
estou muito contente por ter comprado uma 1a edição do 3rd testament dos the godz e o novo de blues control. para já, não vou pôr aqui nada dos godz a não ser um link para uma entrevista com o Jim McCarthy que está aí pela net.
na ponta de uma das possíveis histórias da música a começar nos the godz e que tais, um cdr de colaboração entre Inca Ore e Starving Weirdos, chamado "a drawing with shadows, the light is coming from the sun".
com o habitual trabalho de estúdio a que os weirdos submetem qualquer coisa parecida com uma jam, todas as faixas do disco são invocações de loops artificiais ou... manuais. a voz de inca ore seria a escolha óbvia para a música assustadora dos weirdos e vice versa, mas devo dizer que esta colaboração terá que se repetir, com muitas ideias para explorar.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

monday madnesses!

Temos que pedir desculpa pela ausência da semana passada, mas estivemos a esvaziar a cabeça nas bordas das Montañas Sacras de Portugal – cabo do mundo, serra da Estrela. Depois de uns dias que foram uma avalanche de verdade extática, música para a ressaca disso mesmo.

We gotta apologize for last weeks absence, but we were emptying our heads in the portuguese Holy Mountains – cape of the world, Estrela mountain range. After some days that were an avalanche of ecstatic truth, here's some music for the longing of such experience.

Monday madness #4
Para compensar, uma das prendas desta semana é uma faixona de Terry Riley com Don Cherry, gravada em Setembro de 1970 nos estúdios da rádio nacional da Dinamarca. Não consegui ainda encontrar a razão de tal assombrosa coisa – com o tempo, talvez descubra o porquê numa biografia do Riley ou do Cherry. O que interessa é que isto pertence ao domínio público, por isso, TEM que estar aqui. A sessão produziu três faixas, e aqui fica a mais longa. Ao que parece – ou serve só de mito e factóide para construir melhor a ideia da maravilha que isto é, diz-se que a sessão foi totalmente passada às escuras, com apenas um ensaio prévio na noite anterior. Caso queiram o resto, digam.
As compensation, one of this weeks treats is a monster-track by Terry Riley and Don Cherry, recorded September 1970 in the studios of Danish National Radio. I couldn't find ( yet ) the reason for such a wonder – in time, maybe i'll find it out in a bio of Riley or Cherry. What matters is that this belongs to public domain, thus, it HAS to be here. The session's outcome was three tracks, and here is the longest. It seems – or it is just a myth and a factoid to produce a better idea of the amazing thing this is – that the session was completely recorded in darkness, with just one previous rehearsal the night before. If you wan the rest of it, tell us.
Monday madness #5
Ainda na Escandinávia, Joakim Skogsberg. Editou, se não me engano, 4 discos. O primeiro é Jola Rota, de 1970. Teve uma edição pequena, de 200 discos. Como só vendeu 80, derreteram o resto para fazer discos de easy listening com a lava vinílica. Neste caso, a raridade do bicho é directamente proporcional à sua qualidade. Desde há um ano, quando o descobri, que acho que estou perante um dos discos a solo mais fascinantes da história da música psicadélica. É estranho à brava, pelo uso invulgar da voz – que tem como inspiração uma técnica de canto medieval sueca, a tal Jola Rota - , e pelos arranjos bizarros de ritmo e harmonia. Ouçam com atenção, porque a voz está , a zumbir. Com um espectro de canções colocados em forma de disco conceptual, ocupa uma clareira soturna na floresta do folk dos anos 70.
Still in Scandinavia, Joakim Skogsberg. He released, if i'm not mistaken, 4 records. The first is Jola Rota, from 1970. Small edition of 200 records. As only 80 were sold, the remaining were melted to make some easy listening records with the vynil magma. It's sick to the guts, thru it's unusual use of vocals – inspired by this medieval swedish singing technique, the Jola Rota of the title -, and the bizzarre harmony and rhythm structures. Listen carefully, because the vocals are there, buzzing. With a song book spread out in the shape of a conceptual record, it occupies a misty clearing in the folk forest of the seventies.
Monday madness #6
Não será nada de novo, mas tem que constar. Depois de ter descoberto um LP com uma compilação de gente como Michael Rother a solo, Cluster, Faust, Harmonia, Klaus Schulze, e mais, em casa de um senhor que vive no interior de Portugal, cuja colecção de LP's se resume a glam rock e que, claro, não ma venderia por um milhão de euros, tenho que deixar aqui uma malha que traduza a frustração de ter estado em comunhão com a majestade das montanhas e de ter segurado o tal LP na mão. Ash-Ra ao vivo em Paris em 1974, In The Deep. O som é miudinho, mas o Manuel Göttsching já estava a fazer as suas tapeçarias de delay a solo, e é bastante interessante ouvir como é que isso se passava ao vivo. Épico, cheio de pathos, e supimpa a sério.
This won't be nothing new, but we gotta put it here. After finding a compilation LP with guys like Michael Rother, Cluster, Faust, Harmonia, Klaus Schulze, and more, at this 50yr-old guy in the depths of Portugal, whose record collection maybe be defined as Glam, and, of course, wouldn't sell me the compilation for a googleplexillion euros, we gotta drop here a track that may translate the frustration of having been in communion with the majesty of the mountains and having touched that record with my hands. So, Ash-Ra live in Paris, 1974 with "In The Deep". The recording is weak and the mp3 is almost passable, but Manuel Göttsching was already doing his solo delay tapestries. Thus, it is interesting to listen how that came out live. Epic, full of pathos, and seriously juicy.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

autorização dada

legal e autorizada, eagle rock, sacada da k7 'live from the new age' de Pocahaunted, para completar a monday madness de anteontem. coisa boa.
vai ser complicado esperar até para a semana para mostrar as próximas monday madnesses. Para deixar água na boca e gargarejar: uma das faixas é uma colaboração entre um gigante do minimalismo norte-americano e um guruji do jazz num estúdio em Copenhaga.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

monday madnesses

bom dia
monday madness #1
para os interessados, enquanto ainda não é reposto o concerto de sun araw em lyon, aqui fica uma gravação do concerto de pocahaunted na mesma bela cidade. atenção à k7 live from the new age, um documento de transição - propõem-se a saltar do drone para um funk marado. vale mesmo a pena, porque não soa ao que tocam agora nem ao que tocavam antes. para uma banda com momentos muita bons e outros medíocres, é sempre fiche descobrir um registo em que fazem qualquer coisa que os faz ultrapassar a si mesmos.
estou à espera de uma autorização para deixar aqui postado um mp3 da tal k7. entretanto, curtam a versão do 2Pac.

monday madness #2
agosto está quase aí e lisboa já está deserta. esta malha dos älgarnas trädgard é das coisas mais belas para curtir o verão. É a última do disco "Framtiden ar ett Svavande Skepp, Forankrat I Forntiden", de 1972, um dos compõe a nata do prog-rock sueco. Não tenho a certeza, mas acho que têm elementos em comum com Pärson Sound e Harvester ( pelo menos o baterista! ).

monday madness #3
Wet Hair: Shawn Reed e Ryan Garbes dos não mais Raccoo-oo-oon estão com vontade de vir tocar à Europa. Ainda há pouco lançaram um LP, e já anunciaram o próximo. esta música é das mais representativas do que andam a fazer. tirei-a da tour tape editada na night people. altamente recomendável. há uma entrevista a caminho, prestes a surgir aqui no blog.

beijos e abraços.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

concerto a solo

solo show - Filipe Felizardo
na Chili Com Carne sábado dia 25 às 17h.
interpretação de dois registos mucositográficos captados em Varna, nos berços geovaginológicos de Massivünt Fofiniert e Monserad Arboretum.
entrada livre.

segunda-feira, 20 de julho de 2009


enquanto estive em tour com sun araw e pocahaunted, tive a oportunidade de ver ao vivo Black vatican, em França. tem um split na Locust com True Primes, e é bom. Industrial de sintetizador e guitarra ( numa faixa ), com Pere Ubu às costas. é bera, massacra, mas a voz de Andy Roche empola a experiência para um pesadelo musical de tv religiosa, um gospel monocromático e asfixiante.
do outro lado, os True Primes fazem um rock lixado, para quem gosta de Raccoo-oo-oon e de Harry Pussy - contudo, Rolyn Hu e Che Chen são pop perpetrators cuja fúria eclipsa um niquinho a dos No Age. Brooklyn pelos vistos não é só cachecóis e ukuleles.

Também na Locust, uma ganda compra:
"at six am we become the police", LP dos No Neck Blues Band - as primeiras gravações da banda. Inacreditavelmente, tão intensa como o último lp, "the large taquat". é tudo banda sonora para um filme da banda que está para sair, no qual se falará sobre a sua mudança de sala de ensaios. O free form é engolido pela extrema força que todas as peças cospem, fazendo-nos acreditar num virulento produto acabado. uma obra de arte tem que ser esquisita para induzir extâse, e NNCK é extaticamente esquisito.

domingo, 19 de julho de 2009

sexta-feira, 17 de julho de 2009

varnography done on location - Monserad Arboretum,
4th geovaginological cradle of Varna.

eu a sara temos andado a ouvir muito o "imaginary falcons" dos peaking lights. é BOM.
música de esperança - é possível, acreditem, encontrar boa erva em lisboa.

me and sara have been listening to imaginary falcons by peaking lights. it's sick.
songs of hope - it is possible, believe us, to find good weed in lisbon.

quinta-feira, 16 de julho de 2009


to crown a week of mutual thanksgiving from precious people, here it goes:
building up a tour for pocahaunted and sun araw and tourmanaging the whole venture is furiously extenuating, but if it wasn't for the presence of huge minds and warm love from cameron, william, ged, manda, britt, and diva, i don't know how it could have been possible.
as cameron said, it's really special and astonishing..well, SICK, to find minds on the same stellar harmonics across a whole ocean.
thanks to every single promoter, cook, squat comandante, the basilique in Lyon and the whole zdb crü in Lisbon, who managed to get pocahaunted / sun araw to play after the sick Konono Nº 1.

sieg semen und geovaginological mucus!
frunz petrucci, colega geovaginólogo.
as Varnographias dele vão da verdade mais extática até à mais profunda gargalhada de caganeira.
frunz petrucci, my geovaginologist colleague.
his Varnographies go from the most ecstatic of truths to the deepest shitstorm giggle.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

hey - for starters, SUN ARAW's Lyon show, on june 28th.
Cameron Stallones on guitar and vocals, and William Giacchi playing the organ.
Buy the new LP! check

july 17th ( had to cut the link for the downlad by request of the artist - i'll upload another show in the next days )

cameron stallones, aka SUN ARAW
as mind boggling it may be to travel 600km everyday,
a suave SUN ARAW show every night is really fucking rewarding.

por mais extenuante que seja viajar 600km todos os dias,
um concerto de SUN ARAW é uma recompensa dos diabos.

chico, laconic tour driver, autobahn tiger

Portanto, vamos começar um blog sobre aquilo que gostamos de ouvir.
O mote da tour europeia de Pocahaunted e Sun Araw parece pesado o suficiente. Em baixo, têm fotos que a Sara tirou ao concerto de Pocahaunted em Lisboa.
em cima, encontram fotografias minhas relacionadas com os treze dias de tour.

segunda-feira, 6 de julho de 2009